ALERTA: Uma a cada 12 pessoas no mundo pode ter hepatite B ou C, sem saber. Não há sintomas e o vírus não é detectado em exames de rotina. Tem certeza que você não tem? Faça o exame, é gratuito.

domingo, 26 de junho de 2011

World Hepatitis Day no seu avatar

Faltando pouco mais de um mês para 28 de julho, dia mundial de mobilização contra a hepatite, você já pode colocar o símbolo do World Hepatitis Day em seu avatar no Twitter e Facebook. Faça isso clicando no link World Hepatites Day [World Hepatites Alliance], em seguida clique no botão "Add to profile picture" e siga os passos solicitados.



Se você tem hepatite B ou C, também pode compartilhar sua história no "Wall of Stories / Quadro de histórias" do site da World Hepatitis Alliance. A minha já está lá! Acesse: Quadro de Histórias.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Solidariedade: Pequena Érica

Apesar de buscar lidar com a hepatite C de uma forma otimista, nunca perco de vista a gravidade da doença e a necessidade de cuidados constantes. Às vezes (bem às vezes) também sinto medo, também entro em crise. Mas isso tudo torna-se insignificante quando me deparo com histórias como a da pequena Érica, que quero compartilhar com vocês.

Érica tem apenas 3 anos (a idade de minha filha) e mora aqui nos arredores de Brasília. Em julho de 2010, ela estava no carro da família quando ele incendiou-se. A menina teve 23% do corpo queimado, especialmente cabeça, rosto, mãos e pés.

Imagem capturada de vídeo do Youtube - SBT Brasília 27/01/2011

Assistam no vídeo abaixo a reportagem veiculada no SBT Brasília de 27/01/2011 e entendam a importância das cirurgias reparadoras na vida da pequena Érica.




As cirurgias e tratamento terão um custo de aproximadamente R$ 80 mil. Se é muito para nós de classe média, imaginem para a filha de um auxiliar de pedreiro e uma catadora de lixo.

Para ajudar a arrecadar esse dinheiro, criei o blog Pequena Érica, no qual estão as contas para doação em nome da menina e o link da vakinha online. Agradeço ao querido @profBauru pela ajuda no blog (mais uma vez!).




Sei que muita gente não gosta de fazer doações em dinheiro (eu, inclusive), mas, nesse caso, é de dinheiro para o pagamento das cirurgias que se necessita. Por favor, ajude como puder: doando e ajudando a divulgar. Se cada um doar um pouquinho, podemos fazer diferença na vida da menina! Tenho fé que sim! Desde já, meu muito obrigada.


Hepatites: um alfabeto de problemas

A, B, C, D, E... reportagem do Correio Braziliense de 16 de maio de 2011 levantou mais uma vez a problemática: as hepatites - doenças que não discriminam gênero, idade ou classe social - são muitas vezes silenciosas e, portanto, muitos infectados recebem o diagnóstico tardiamente. "Sem sintomas, com perigo" - alerta a matéria, que traz o depoimento e foto desta blogueira que vos escreve.


Edilson Rodrigues/CB/D.A Press  - Correio Braziliense 16/05/2011

A descoberta tardia da doença também ocorreu com a leitora Daniela, que deixou seu comentário hoje no post Portadores de hepatite C recebem indenização por omissão do Estado. Atualmente com 29 anos, ela foi diagnosticada com hepatite C apenas porque leu na internet sobre o risco de quem recebeu transfusão de sangue antes de 1993 ter contraído a doença e foi atrás.

Ela conta que, ao pedir o exame de hepatite C na consulta, ouviu da médica que dificilmente teria a doença, mas que faria a requisição por desencargo de consciência. Daniela conta: "Ao receber o diagnóstico, os sentimentos se misturavam... medo, raiva, impunidade... pois foram mais de 14 anos me tratando com diversos médicos e nunca sequer insinuaram que seria bom fazer o tal exame e (antes disso) eu nunca havia ouvido falar sobre essa doença. Se não tivesse pesquisado de uma forma outra, sabe-se lá quando eu iria descobrir o problema..." 


Será que foi apenas comigo e com a Daniela que isso aconteceu? A Organização Mundial da Saúde diz que não: segundo a OMS, mais de 3 milhões de brasileiros podem estar na mesma situação, podendo ter contraído o vírus em situações corriqueiras como uma ida à manicure

Saiba mais: Hepatite C: posso estar infectado sem saber?

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Tentando pegar hepatite C?

Quem disse que o alerta para o perigo de se ter contraído, sem saber, hepatite C em algum momento da vida precisa vir necessariamente numa mensagem carrancuda?

O vídeo abaixo do personagem Dennis mostra exatamente o contrário: de uma forma divertida, passa uma mensagem que é muito séria. Assistam! As legendas em português foram colocados pelo nosso leitor Daickson (obrigada!).



Tradução:
Tentando pegar hepatite C?
Não tem certeza por onde começar?
Bem, você sabe, você pode ter sido infectado sem nem mesmo ter tentado.
Lembra aquela vez que você pegou minha lâmina de barbear emprestada?
E que tal quando você fez uma tatuagem? (eu avisei que ia doer)
E quando nós fomos naquele feriado? [cena da cocaína] Nada mal.
[cena da transfusão de sangue] Nada mal também.
E quando você pegou emprestada minha escova de dentes?
Bem, o que você está procurando? Você não tem sintoma algum, mas como você sabe se você não tem sintoma algum ainda?
Já fez o teste?
Bem, então vá em frente!
Você conseguiu! Agora você se sente um cara esperto.

180 milhões de pessoas estão infectadas com hepatite C.
Muitas delas não sabem. Você pode ser uma delas?
Faça o teste.

E você, é esperto? Já fez o teste?
Então faça, porque a hepatite C está mais próxima do que você imagina: Hepatite C entre seus amigos e familiares.

domingo, 5 de junho de 2011

Hepatite C crônica: exames necessários

Como qualquer doença crônica, a hepatite C exige atenção. Um acompanhamento periódico com seu médico assistente - que pode ser um infecto, gastro ou hepatologista - é essencial para verificar a evolução do quadro e possibilitar as intervenções que se fizerem necessárias, no tempo certo.

Foto: Prefeitura de Olinda - Flickr CC


Em meu caso, a cada seis meses tenho consulta com meu super-infectologista Dr. José David Urbaez Brito [leia em Médicos porque o escolhi], quando faço uma série de exames para acompanhar meu estado de saúde em geral. 

Dr. José David Urbaez Brito - infectologista
Brasília (DF) Fone: (61) 3245-6129 
[infelizmente, não atende mais pela Cassi]

Há 10 anos, essa rotina de exames seria traumática, mas como conto pra vocês no post Dicas para vencer o medo no blog Apenas Mulheres de Verdade, meu pânico de tirar sangue foi totalmente superado. 

Assim, todos os meses de maio e novembro tenho consulta e faço exames de sangue de rotina, incluindo o perfil hepático. Uma vez por ano (maio), faço também uma ultrassonografia de abdome superior.

Neste ano, mais uma vez e graças a Deus, meus exames mostraram um quadro estável. TGO, TGP e GGT acima do normal, mas de acordo com o esperado no caso de portadores de hepatite C. As funções hepáticas estão preservadas e, como pode ser observado na ultrassonografia, o fígado está normal. A única alteração é um hemangioma já conhecido há tempos, que é inocente e não tem relação com a hepatite.

A quem interessar possa, alguns resultados (clique na imagem para ampliar):

Reparem que a queda das taxas em 2009 refere-se ao período em que me encontrava em tratamento (interferon/ribavirina)


Para completar o acompanhamento, a cada três anos sou submetida a uma biópsia hepática, para verificar a evolução da fibrose no fígado. A próxima biópsia está próxima (prevista para o final deste ano), mas ainda tenho a esperança de poder evitá-la realizando um novo procedimento aprovado pela Anvisa no segundo semestre de 2010: elastografia transitória. Trata-se de um equipamento similar a um ultrassom, registrado com o nome de Fibroscan, que é capaz de diagnosticar com precisão o grau de fibrose no fígado. Ele evita o procedimento invasivo que é a biópsia e todos os riscos nela envolvidos.

O objetivo deste post foi, em primeiro lugar, contar que tudo vai bem com a Ana Flor. =D
Além disso, fica o alerta aos leitores para o acompanhamento adequado de doenças crônicas, mesmo quando o quadro não costuma alterar-se de um exame para o outro (como vem ocorrendo, graças a Deus, comigo).

E você que acha que não tem hepatite C, mas nunca fez o exame, não deixe de ler o post Hepatite C: posso estar infectado sem saber?
Pior é que pode.